22/10/2014 13° / 26° São Miguel do Oeste - SC
CAPA
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
CLASSIFICADOS
AGRICULTURA
CHARGES
CIDADES
Anchieta
Bandeirante
Barra Bonita
Belmonte
Descanso
Dionísio Cerq...
Flor do Sertão
Guaraciaba
Guarujá do Sul
Iporã do Oeste
Iraceminha
Palma Sola
Paraíso
Região
Romelândia
Santa Helena
São José do C...
São Miguel do...
Tunápolis
CIÊNCIA
Curiosidades
Saúde
EDUCAÇÃO
Concursos
ESPORTE
GERAL
MUNDO
PAÍS
POLÍTICA
Eleições 2012
Ping- Pongs
REPORTAGENS
SAÚDE
SEG. PÚBLICA
TECNOLOGIA
VAGAS DE EMPREGO
VARIEDADES
Agenda de Eve...
Beleza
Carros
Casa e Decoração
Cinema
Corpo e Bem E...
Culinária
Dicas e Truques
Horóscopo
Humor
Magazine
Moda e Estilo
Novelas
Pets
Publicidade
28/01/2013 09:21
Geral

Sonho de Bruna Karoline Occai, de Belmonte em SC, foi interrompido por tragédia em Santa Maria
Só faltava entregar um artigo para que Bruna realizasse o sonho de ser mestre

Poucas pessoas no mundo podem dizer que conseguiram realizar um sonho. A catarinense Bruna Karoline Occai, 24 anos, estava a um artigo de realizar um grande objetivo: de ser mestre. Ela já havia defendido a dissertação em banca e se preparava para a seleção do doutorado. 

O  próximo passo na carreira da bioquímica de Belmonte, no Oeste de Santa Catarina, foi interrompido no incêndio da boate Kiss, em Santa Maria, na madrugada deste domingo. Ela morreu no local, junto com outras 232 pessoas.

Bruna ouviu na universidade que vários alunos iriam se encontrar lá. Ligou no sábado para casa da família e comentou que iria sair. A mãe incentivou a filha a se divertir. Foi a última vez que a família falou com a estudante.

A catarinense era tão apegada à família que todos os dias ligava para a mãe. Bruna saia pouco e só se dedicava aos estudos, segundo a irmã mais velha, Carina Occai, 33 anos.

O pai de Bruna foi neste domingo de manhã para Santa Maria, junto com duas tias da estudante. Outro tio, o deputado federal Pedro Uczai, seguiu para cidade gaúcha à tarde.


A tragédia

O incêndio na boate Kiss, no centro de Santa Maria, começou entre 2h e 3h da madrugada de domingo, quando a banda Gurizada Fandangueira, uma das atrações da noite, teria usado efeitos pirotécnicos durante a apresentação. O fogo teria iniciado na espuma do isolamento acústico, no teto da casa noturna.

Sem conseguir sair do estabelcimento, mais de 200 jovens morreram e outros 100 ficaram feridos. Sobreviventes dizem que seguranças pediram comanda para liberar a saída, e portas teriam sido bloqueadas por alguns minutos por funcionários.

 A tragédia, que teve repercussão internacional, é considera a maior da história do Rio Grande do Sul e o maior número de mortos nos útimos 50 anos no Brasil.

Fonte: Diário Catarinense
1 foto:
Seja o Primeiro a comentar essa matéria
Nome Completo:

Comentário:

Quanto é 8 + 2?

  • Profissão é norteada por Conquistas, Sonhos e Desafios
  • Alunos querem agilidade nas obras
  • Presidente da Fiesc visita município e inaugura impostômetro
  • Prefeito se manifesta após ter bens bloqueados pela Justiça
  • Seminário discute alternativas para o campo
  • Assinada ordem de serviço para início dos estudos de viabilidade
ASSINAR JORNAL

PROJETOS ESPECIAIS
ACESSO AO USUÁRIO
E-mail
Senha
Esqueci minha senha
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade